Skip to content

CORONELISMOS A PARTE…

fevereiro 2, 2010
Existem algumas atitudes que nem dá para acreditar, principalmente quando estas partem de certos políticos que se dizem representantes do povo.
Vejam por exemplo o que está acontecendo em Sumé/PB, onde o Sr. Prefeito daquele município está tentando acabar com a premiada Filarmônica São Tomé, praticando o que há de mais torpe e desprezível entre os politiqueiros deste nosso país (além da corrupção, é claro): A PERSEGUIÇÃO POLITICA.

Transcrevemos abaixo a integra da matéria publicada no jornal Folha do Cariri Ano VII, n° 29 25 de janeiro a 05 de fevereiro de 2010:

Filarmônica São Tomé sofre com perseguição, segundo Maestro

Por Luiz Pereira e Lamartine Miranda

Sumé – A premiada Banda filarmônica São Tomé da cidade de Sumé está funcionando praticamente na rua. O maestro Gedeão Faustino Nunes Filho se diz perseguido pelo atual prefeito, que teria até mesmo tomado o prédio onde funcionava a Associação Sociedade Filarmônica São Tomé.
A associação no qual pertence a banda filarmônica foi fundada em 1925. No próximo mês de junho estará completando 85 anos. Atualmente a banda conta com 58 componentes e a cerca de um ano está ensaiando no meio da rua, entre o DNOCS e o Mercado Novo, mas basicamente na calçada do DNOCS mesmo.
Uma das bandas mais premiadas da Paraíba, viveu seu auge na década de 90 até 2003, obtendo o tricampeonato paraibano (1999, 2000 e 2001), outros dois vice-paraibano e um terceiro lugar no campeonato brasileiro de 2001, que aconteceu em Aracajú, o resultado poderia ser melhor ainda, pois a filarmônica perdeu pontos por que o fardamento não estava completo (os sapatos se diferenciavam, quando deveriam ser uniformes).
A banda gerou e ainda gera vários músicos para todo o Brasil, alguns ex-componentes integram hoje a Banda Militar Dragão da Independência de BrasÍlia/DF. Outro músico que se destaca no país e que também surgiu na filarmônica São Tomé é o saxofonista Hamilton (de nome artístico: Sumé), integrante da banda do cantor sertanejo Leonardo. O maestro Gedeão Faustino Nunes Filho, desabafou toda indignação e tristeza em relação à perseguição que acomete sua pessoa e a associação, pois o principal prejudicado é a banda filarmônica São Tomé.
“Gostaria de relatar a todos os leitores do jornal FOLHA DO CARIRI, o caos que se encontra a Cultura sumeense, uma instituição como essa, aos 85 anos de fundação, a filarmônica se encontrar em um caos total devido ao atual prefeito não ter uma mentalidade cultural ampla e só vive perseguindo. Não só me persegue como vive perseguindo as pessoas da banda e as pessoas que também os cercam, visto que um músico da banda que fazia parte de uma escola estadual, ele perseguiu esse músico e o tirou do estado, o meu irmão da mesma forma, fazia parte de uma escola do estado e ele também perseguiu. Como também ele vive perseguindo a minha pessoa em outros municípios onde trabalho”.
Segundo Gedeão, recentemente a Prefeitura através da Secretaria de Cultura acionou o maestro Gedeão na justiça para tomar os instrumentos da Banda Filarmônica, alegando que tais instrumentos pertenciam ao município. Segundo o maestro ele se dirigiu à delegacia como provas documentais que os instrumentos pertencem a associação Sociedade Filarmônica São Tomé.
“O delegado preferiu passar para a Juíza decidir e dar o veredicto final. Estamos esperando e vamos provar que os instrumentos pertencem a nossa Associação, visto que, a prefeitura só tem onze instrumentos porque foi por mim feito um projeto pra ela”.
O maestro também explicou o entrave jurídico em relação ao prédio da associação:
“Temos um prédio que pertence a nossa associação onde funciona o posto do INSS e a prefeitura não quer devolver, mas isto também é um caso que já está na justiça, porque eu tenho o documento e a escritura provendo que aquele prédio pertence a nossa associação. Por isso que hoje estamos na rua porque até o prédio que pertence a nossa associação ele não quer entregar”.

O BTB é solidário ao Maestro Gedeão Faustino Nunes Filho, bem como a todos os integrantes desta preciosa banda paraibana, e faz votos de que esta situação seja resolvida o mais breve possível, pois a música não pode parar mesmo que um ou dois maus políticos não a queiram.

Anúncios
One Comment leave one →
  1. fevereiro 2, 2010 10:46 am

    É lamentavel que tais atitudes ainda aconteçam no Brasil, especialmente em nossa região. Os filhotes da ditadura estão soltos por aí, pequenos déspotas que não compreendem que cultura não é "coisa de viado e maconheiro" como muitos administradores citam e sim um patrimônio que pertence ao povo…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: