Skip to content

Triunfo/PE – HOJE TEM APRESENTAÇÃO DO CORAL VOZES DO GUARANY

dezembro 25, 2009
A Praça Carolino Campos, no centro da cidade mais alta do estado de Pernambuco, recebe hoje a apresentação do Coral Vozes do Guarany.
O coral formado por mais de 60 crianças se apresenta na noite desta sexta-feira (25), a partir das 20h.

O Coral Vozes do Guarany

Histórico publicado em dezembro de 2008 no Jornal Triunfo Urgente pelo Jornalista Cláudio Castanha

Idealizado em outubro de 2005, quando assumem a pasta da cultura, no município de Triunfo, a secretária Andrea Pádua e o diretor Denis Gomes (quem concebeu o projeto), fruto da necessidade de atribuir ares natalinos a uma festa de final de ano que tinha nome de Natal, mas que era mais uma como qualquer outra, sem definição, sem a peculiaridade do momento, sem a diferença de um ínterim tão carregado de poesia e ternura especiais.
Nasce o Vozes do Guarany, a princípio desacreditado, contando com o apoio da REK (uma ONG alemã sediada em Triunfo), que cedeu o figurino e emprestou suas crianças e adolescentes ao projeto, concebido na cabeça do seu criador, num primeiro instante, para a histórica Stella Maris, na época fechada, tristonha e como sempre merecedora de nossa atenção, pela sua história, sempre povoada de muitas crianças com seus sonhos natalinos. Para lá era o projeto, também pelo fato estratégico da sua arquitetura: fachada cheia de janelas, distribuídas linearmente tanto na horizontal quanto na vertical, o que permitiria uma visão perfeita de todo o espetáculo, em qualquer lugar onde se posicionasse o espectador em seu extenso pátio.
Por outro lado, pairava na sua mente a dúvida: numa festa que acontece no centro da cidade, tendo um teatro, não diferentemente do Stella Maris, imponente e apresentando a escola o agravante de possuir extensos corredores, que levaria à necessidade de exaustivos ensaios e de um sistema de sonorização moderno e poderoso, a decisão foi tomada: seria no Guarany, apesar de ser um edifício com uma dupla face, voltada cada uma para ângulos diferentes (Praça Carolino Campos e Avenida Manoel Pereira Lima).
Mas por onde começar? De que forma? Como distribuir uniformemente crianças das mais variadas faixas etárias e tamanhos em diversas janelas? Quais critérios as dividiriam e, ao mesmo tempo, as agrupariam?Como fazer o som fluir daquele palco que seria montado como um quebra-cabeça, de janela em janela e formaria um conjunto mágico e uníssono?
Aí entrou em cena não só a vontade, mas a técnica, a coragem e a experiência de anos de teatro do seu mentor e idealizador, então diretor de cultura do município, Denis Carlos Gomes. Em meio a respeitada equipe de professores, que sempre desenvolveram trabalhos com crianças, envolvendo música e teatro, nas suas escolas e igrejas, foi que o projeto ganhou vida. Valerá sempre lembrar a atuação decisiva daqueles professores: Lucivaldo Ferreira, Joana D’ Arque, Jirlene Ferreira (irmã do maestro Lucivaldo) e Keila Roberta.
A determinação e o “saber fazer” foram as mais eficazes e produtivas armas daquela equipe. Tinham poucos recursos a contar, a saber: figurino doado pela REK, equipamento de som (cedido pela prefeitura municipal para as apresentações; para os ensaios o som era o do teatro), a toquinha usada pelas crianças como adereço do figurino (cedidas pela prefeitura municipal), trabalho de estúdio fonográfico produzido pelo estúdio CAMMAR, da cidade de Serra Talhada (como é até hoje), fé e muita boa vontade de professores, crianças e diretor geral do espetáculo. À época o prédio não contava, sequer com uma iluminação natalina profissional. Era ainda a era das lâmpadas caseiras, dos populares cordões de luz. Foram necessários os truques cênicos para fazer fluir a mágica no espetáculo e chover bolas e papel picado.
Misturaram-se, então, lanterninhas feitas de garrafa peti com velas, papéis picados, bexigas multicoloridas, brincadeiras com as portas, coreografias, entra e sai, abaixa-levanta e vibração para fazer com que o nosso obelisco parecesse andar.
O resultado não pôde ser diferente: abriu-se, a partir daquele dia 24/12/2005 um espetáculo que envolveu todos e consagrou-se como o maior cartão-postal natalino desta cidade, composto por vozes que entoavam o verdadeiro louvor; eram vozes de crianças – as Vozes do Guarany!
O SESC Pernambuco entrou na parceria em 2006, chegando a produzir todo o espetáculo em 2008 e coube à Secretaria de Cultura de cada gestão zelar pelo cartão-postal que se acende a cada ano.
Tem-se investido na contratação de músicos para produzirem arranjos próprios, exclusivos do espetáculo, como nos anos de 2007 e 2008, para canções natalinas e populares como Bate o sino, Então é Natal, Natal das Crianças, Imagine, Aquarela (de Toquinho e Vinícius), Aquarela do Brasil, Canção da América, Hino de Triunfo, entre outras, misturando, em especial, nossos ritmos pernambucanos.
Produtores, atores-cantores, espectadores, público composto por triunfenses, visitantes e turistas, jornalistas passaram a enxergar um diferencial especial e encontraram um pretexto conveniente para estar em Triunfo, na Praça Carolino Campos, nas noites de Natal: assistir ao Coral Vozes do Guarany. Ali se vê abrir, a cada 24 e 25 de dezembro, desde 2005, uma caixinha de músicas, cada vez mais perfeita, que parece andar, que parece flutuar.
Orgulho no peito, semblante alegre, felicidade no coração, muita satisfação e a certeza de que aquele coral virou uma tradição natalina da cidade de Triunfo, que temos um encontro marcado a cada ano com a poesia e com um universo lúdico e infantil, como é o universo de Papai Noel.
O tempo passará, as crianças serão adultas, virão seus filhos para ocupar os seus lugares nas janelas e um espetáculo quase singular, visto em poucos lugares, mas com a particularidade de ser o Vozes do Guarany perdurará história adiante, sempre impregnado pelo espírito, pela alma, pela aura do seu criador – Denis Gomes, pelos seus primeiros mestres – Lucivaldo Ferreira, Jirlene Ferreira, Joana D’ Arque e keila Roberta, ainda que as nuances políticas tentem mascarar, mas o ponto de equilíbrio sempre buscará se ajustar no seu nascituro.

Ficha técnica original:

Arranjos – Lucivaldo Ferreira;
Coreografia – Keila Roberta e Jirlene Ferreira
Adereços – Joana D’ Arque
Criação e Direção Geral – Denis Gomes

Imagem: Pensamentos Vivos

Anúncios
No comments yet

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: