Skip to content

Ctrl+C / Ctrl+V

novembro 11, 2009

Desafio de reviver o mestre – Luiz Gonzaga
Matéria publicada no Jornal do Commercio em 10.11.09

Após vasta pesquisa, o diretor Breno Silveira fecha o roteiro do filme que vai se chamar Gonzaga: de pai para filho

Luís Fernando Moura

lmoura@jc.com.br


Com o longa 2 filhos de Francisco, o cineasta Breno Silveira conquistou uma bilheteria de quase cinco milhões de espectadores, a maior do ano de 2005. Apesar do sucesso, tinha desistido de filmar histórias de personagens reais e perdeu o interesse pela maior parte delas. Carregam uma verossimilhança incabível. “Não gosto muito de cinebiografias em primeira pessoa. Uma ficção não pode ser uma colagem de fatos históricos, isto é um documentário. O cinema precisa de uma trama, de alegrias e tristezas”, afirma.

Luiz Gonzaga fez Silveira voltar atrás na primeira decisão. Em busca do relato de vida de Gonzagão, o cineasta resolveu dar outra chance ao registro biográfico. Para tal feito, iniciou uma pesquisa aprofundada para desvelar os pequenos acontecimentos da trajetória do personagem. Há dois anos, Silveira realiza uma garimpagem que visita livros, familiares, amigos, lugares, personagens aqui e acolá, e confessa: a imensidão de informações – e também o confinamento delas – protelou o fim da busca por todo este tempo.

“Gonzagão é muito maior do que eu imaginava. Achei que, no começo, iria ser um filme fácil de levantar, mas o roteiro continuava sem força dramática. Era muito complicado entrar em contato com os parentes e, cada vez que eu descobria algo novo, me sentia intimidado pelo tamanho de Gonzaga. Finalmente acho que o roteiro chegou num tamanho bacana”, afirma o cineasta. Após esboços de nomes e boatos que, diz, vieram sabe-se lá de onde, a produção tem título definido. Vai se chamar Gonzaga: de pai para filho.

A proposta de Silveira busca a expressão das afetividades familiares, tal qual o fio que conduz a trama de 2 filhos de francisco. Enquanto, neste caso, o pai dos biografados era elo emocional e protagonista eleito, aqui é Gonzaguinha, o filho, que toma as rédeas do olhar sobre o pai. A figura de Gonzaguinha deve catalizar os eventos que norteiam a trama e servir de elo de cumplicidade entre espectador e a história contada.

“Cada história pode ser contada por diversos interlocutores. A principal, e maior, seria a contada pelo próprio Luiz Gonzaga. Mas sei que é impossível esgotar a história de qualquer pessoa, especialmente de Gonzagão, então não quero a pretensão deste relato”, diz o cineasta. “Escolhi o filho pois, assim, temos liberdade poética, e podemos explorar o drama entre o pai que não aceitou bem o filho”, continua.

O filme veio por encomenda ocasional de uma fita K-7. Silveira deu o play e ouviu uma gravação em que, nas suas palavras, Gonzaguinha revelava: “Não conheci meu pai direito e amanhã é o enterro dele”. O arroubo fez o cineasta perceber que o que tinha em mãos se tratava de um “drama muito forte entre duas pessoas muito importantes para o Brasil. Um deles tinha mudado completamente o destino da nossa música”.

A previsão é de que as filmagens sejam realizadas no ano que vem, a fim de que em 2011 o filme seja lançado. O desafio atual, segundo Silveira, é definir as locações e fechar o elenco. “Devo fazer teste de locações no Recife, a partir de julho ou agosto, mas vou demorar a achar um ator que tenha o carisma de Gonzagão, ou mesmo o rosto parecido”, diz. Rio de Janeiro, Minas Gerais e São Paulo também devem receber as filmagens, que passam pelo município de Exu, onde nasceu Luiz Gonzaga. O orçamento não está fechado, mas o roteiro recebeu prêmio do BNDES. A Columbia Pictures tem participação no projeto.

Apesar de ter nascido em Brasília, Silveira tem ascendência pernambucana. Costumava passar as férias no sítio do avô, em Carpina. “Meu avô também se chama Breno e me levava para a feira de Caruaru, onde eu conheci a obra de Gonzaga. Eles tinham sido amigos. Às vezes, acho que estou percorrendo algo que me marcou na infância”.

Link: http://jc3.uol.com.br/jornal/2009/11/10/not_354227.php

Matéria Vinculada:

MUSEU DO GONZAGÃO AINDA ESTÁ EM DISCUSSÃO
Publicado em 10.11.2009

Da Redação, com agências

A construção de um museu e complexo cultural dedicado à obra e à história de Luiz Gonzaga no Recife continua ainda em discussão no âmbito do Ministério da Cultura. Um dos entusiastas da ideia é o pernambucanos mais ilustre no poder: o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que estimulou a iniciativa e cobrou um projeto urgente ao governador Eduardo Campos e ao ministro da Cultura, Juca Ferreira.

A estimativa extra-oficial é de que o governo poderia investir até R$ 25 milhões no complexo, que seguiria a linha de museus interativos, como o da Língua Portuguesa e o Museu do Futebol, em São Paulo. “Queremos fazer um grande museu com novas tecnologias”, diz Juca Ferreira. O Museu do Gonzagão deverá seguir a política do MinC de investir na diversidade cultural no país. “Queremos construir grandes equipamentos culturais fora do eixo Rio-São Paulo”, complementa o ministro.

O projeto, que tem como base texto propositivo do antropólogo Antônio Risério, deve ser realizado pelo governo federal em esquema de parceria com o governo de Pernambuco. A data para a apresentação do projeto e início das obras ainda não está definida, assim como os responsáveis pelo desenvolvimento da concepção arquitetônica. Juca Ferreira diz esperar resolver a questão ainda neste mês. A presidente da Fundação do Patrimônio Histórico e Artístico de Pernambuco (Fundarpe), Luciana Azevedo, foi contactada pela reportagem, mas somente ficou de se pronunciar hoje sobre o projeto, segundo sua assessoria.

Pernambuco já tem dois equipamentos culturais dedicados à Luiz Gonzaga. O Parque Aza Branca, em Exu, onde nasceu o Rei do Baião, estava precisando de reparos urgentes no telhado, que corria o risco de desabar. A Fundarpe assinou um convênio com a ONG que o administra para fazer um levantamento do acervo e das necessidades de obras físicas. No Recife, fica o Memorial Luiz Gonzaga, no Pátio de São Pedro, que mantém cursos e promove eventos, mas dispõe de poucos recursos da Prefeitura.

Link: http://jc3.uol.com.br/jornal/2009/11/10/not_354228.php

Publicado por
Jonara Medeiros

Gentilmente copiado do site do MinC
Imagem: Reprodução

Anúncios
No comments yet

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: