Skip to content

Confira os homenageados do 2º Festival de Cinema de Triunfo

agosto 1, 2009
O ator Tuca Andrada, o cineasta Rosemberg Cariry e o montador e editor de som Severino Dadá recebem menção honrosa pelos serviços prestados ao cinema
A segunda edição do Festival de Cinema de Triunfo homenageia três nomes que se destacam no cenário audiovisual no Brasil: o ator Tuca Andrada, o cineasta Rosemberg Cariry e o montador e editor de áudio Severino Dadá.De acordo com a coordenadora de Audiovisual da Fundação Patrimônio Histórico e Artístico de Pernambuco (Fundarpe), Carla Francine, a escolha desses nomes se deu pela importância e contribuição dada por eles ao cinema nacional. “Rosemberg e Dadá representam uma geração de mais antiga, que passa os conhecimentos aos mais novos, como Tuca Andrada”, explicou.Confira abaixo, a trajetória dos homenageados.Rosemberg CariryFilósofo de formação, cineasta por vocação, Antônio Rosemberg de Moura, Rosemberg Cariry, começou sua produção cinematográfica em 1975, com documentários de curta metragem sobre artistas populares e manifestações artísticas do Ceará, estado onde nasceu. Na década de 80 realizou os seus primeiros filmes documentários profissionais. Em 1986, realizou seu primeiro filme de longa metragem A Irmandade da Santa Cruz do Deserto, desde então não parou. Trabalhando na TV e no cinema, tendo dirigido os longas A Saga do Guerreiro Alumioso (1993), Corisco e Dada (1995), Cine Tapuia (2003), Patativa do Assaré – Ave Poesia (2006) que lhe renderam vários prêmios no Brasil e no exterior, e Siri-Ará (2008), premiado no 41º Festival de Brasília. Além de cineasta, Rosemberg também têm forte veia política, já tendo passado por cargos de gestão pública, entre eles o de Secretário de Cultura do Crato (CE), onde implantou o Projeto de Revitalização de Favelas através da cultura e das artes populares, criou o Parque Histórico do Caldeirão, e produziu o I Encontro das Culturas Populares do Nordeste. Em 2009 Cariry foi eleito presidente do CBC – Congresso Brasileiro de Cinema. O 2º Festival de Cinema de Triunfo homenageia Rosemberg Cariry pelo conjunto da sua obra cinematográfica e pelo reconhecimento à sua notória contribuição à valorização da cultura popular tradicional nordestina. Severino DadáSeverino de Oliveira Souza, ou Severino Dada, é um dos principais e mais criativos montadores e editores de som do cinema brasileiro. Pernambucano, sertanejo, natural de Pedra, trabalhou em mais de 300 filmes entre longas, curtas e média-metragens para o cinema nacional e internacional, ao lado de diretores consagrados como Nélson Pereira dos Santos, Rosemberg Cariry e Neville de Almeida. Entre 1958 e 1968, trabalhou como radialista em Pernambuco. Em 1969, iniciou sua carreira cinematográfica, desempenhando diversas funções técnicas. A partir de 1973 dedicou-se à montagem e edição de som. Nas décadas de 70, 80 e 90, Dadá participou da resistência política e cultural trabalhando em filmes ligados às lutas e manifestações artísticas populares e à defesa das questões indígenas e afro-brasileiras. Durante a retomada do cinema brasileiro, montou dois longas-metragens no ano de 1996: O Lado Certo da Vida Errada, de Octávio Bezerra, e Corisco e Dadá, de Rosemberg Cariry. Dadá atuou em vários gêneros cinematográficos, transitando do cinema marginal à pornochanchada, o que lhe rendeu inúmeros prêmios no país, e o transformou numa figura histórica do cinema nacional, apelidado de “Cangaceiro da Moviola”. Por tantos motivos o 2º Festival de Cinema de Triunfo homenageia o montador e cineasta pela grande contribuição ao cinema nacional. Tuca AndradaJosé Ivaldo Gomes de Andrade Filho, o Tuca Andrada, nasceu no Recife, onde começou a carreira de ator no teatro. Em 1989 estreou no cinema no curta O Crime da Imagem, de Lírio Ferreira. Desde então, paralela à carreira no teatro, participou de inúmeros filmes, os curtas-metragens foram: Dedicatórias (1996); Simião Martiniano: O Camelô do Cinema (1997); Não me condenes antes que me explique (1997); The Big Shit (1998); A Visita (2000); Bala Perdida (2003) e Mulheres do Brasil (2006). Também integrou o elenco dos longas-metragens Super Xuxa Contra Baixo Astral(1988) Quem Matou Pixote? (1995); Doces Poderes (1996); Guerra de Canudos (1996); Lara (1999); Vida e Obra de Ramiro Miguez (2000) e As Três Marias (2001). Desde 1990 atua na TV em novelas, tendo integrado o elenco de Mico-Preto, O Dono do Mundo, Fera Ferida, As Pupilas do Senhor Reitor, Vira-Lata, O Amor está no Ar, Era Uma Vez, Suave Veneno, Porto dos Milagres, As Filhas da Mãe, Sabor da Paixão, Da Cor do Pecado e Cidadão Brasileiro. Participou também da minissérie Anos Rebeldes, 1992. Em 1996, foi premiado no Festival de Cinema de Cartagena – Colômbia como melhor ator coadjuvante pelo filme Quem Matou Pixote. Em 1991, recebeu o Prêmio SATED/RJ como ator revelação em televisão pela novela O Dono do Mundo. Em 2009, Tuca é um dos protagonistas da novela Poder Paralelo, da Rede Record, e continua em cartaz com o espetáculo O Processo. Pela grande contribuição ao audiovisual nacional homenageamos esse grande ator.

Gentilmente copiado de: http://www.fundarpe.pe.gov.br
Anúncios
No comments yet

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: