Skip to content

DEU NO JORNAL

abril 19, 2009
Leia o texto onde o jornalista pernambucano José Teles comenta a feliz decisão da Prefeitura de Caruaru de afastar do São João oficial da cidade a maioria das bandas apelativas.
Com enorme prazer transcrevemos o texto e desde já sugerimos a Prefeitura de Triunfo a tomar como exemplo a coragem da administração Caruaruense que resolveu
resgatar as tradições e dizer não às bandas de fuleiragem music.
ESCALADA PORNÔ CONTAMINA LETRAS
O texto é de José Teles:
teles@jc.com.br

A única surpresa nesta decisão da Prefeitura de Caruaru de afastar do São João oficial da cidade a maioria das bandas de fuleiragem music (que muitos teimam em chamar de forró estilizado) foi a demora em isto acontecer. Surgidas em 1990, no Ceará, produzidas pelo empresário Manoel Gurgel, que copiou o formato da Kaoma, banda criada em Paris, em 1989. No início, Mastruz com Leite, Mel com Terra, Feijão com Arroz, cantavam uma música pouco elaborada, calcada na lambada, com letras “românticas”.
À medida que o gênero foi sendo disseminado pelo Nordeste, conquistou as emissoras de rádio e caiu no gosto dos jovens. Começaram as apelações no palco, e nas canções para disputar público. Feito menino que diz palavrão, os pais acham engraçado – e ele passa a dizer mais palavrões – as bandas passaram a cantar letras de duplo sentido e a encená-las nos shows. Uma das que mais fizeram sucesso neste estilo foi a Saia Rodada com Coelhinho, inspirada na pueril “Coelhinho, seu fosse como tu…”. Com a Saia Rodada o coelhinho adquiria outras conotações, com a coreografia explícita no palco.
As bandas, a partir daí, não tiveram mais critério, nem medidas, saíram atropelando estética, moral, bons costumes, civilidade. Viraram punks. Só que os punk rock era feito por iconoclastas que sabiam construir estátuas (vide o The Clash), enquanto os punks da fuleiragem derrubaram tudo que viram pela frente, e não ergueram nada em seu lugar.
Os que são a favor da fuleiragem music provavelmente nunca assistiram a uma apresentação de grupos como Cavaleiros do Forró, a citada Saia Rodada, Aviões do Forró, Felipão Forró Moral, Solteirões do Forró, Garota Safada. Precisam. O que cantam e mostram em palco, as emulações de atos sexuais, strip tease, os trajes sumários das dançarinas, podem e devem ser mostrados em palco, porém em ambientes fechados, para uma platéia maior de idade. Para se ter uma idéia do que cantam estas bandas, mesmo sem vê-las ao vivo, as letras são mais do que suficientes (naturalmente, as letra publicáveis).
Cada banda tem o seu grito de guerra antes de iniciar um show, o de Felipão Forró Moral é assim:
“Vaga, vaga, vagabundo, bota pra descer, bota pra descer ladrão!”.
Um dos maiores sucessos da Felipão Forró Moral chama-se Fiel à putaria, dos versos:
“Eu te falei que quem gosta de homem é gay/mulher gosta de dinheiro/ isso é padrão pro mundo, no mundo inteiro/você não é o primeiro nem vai ser o derradeiro/Por isso seja fiel à putaria”.
A mulher é um tema recorrente para as bandas de fuleiragem music. Normalmente elas estão em cabaré, ou em casa esperando o maridão chegar da farra. Uma das mais representativas nesta temática é Tapa na cara, da Saia Rodada:
“Ela é safada, mas gosta de apanhar/e diz que é gostoso na hora de amar/apanha pra dormir, apanha pra acordar/apanha todo dia, toda hora sem parar/eu sei o que fazer pra ela não brigar/é tudo diferente, seu remédio é apanhar”.
O carrão como todo agroboy que se preze tem que ser grande, com som para derrubar o muro de Jericó, como canta o citado Felipão Forró Moral, em Vagabundo:
“E ligue o som do carro/prepare o paredão/ e chame a galera pra curtir o swingão/whisky e red bull e cerveja gelada/chega vagabundo pra curtir a mulherada/agora eu quero ver a galera beber/ o grave começou o chão estremecer”.
Com títulos feito Dinheiro na mão, calcinha no chão, Lapada na rachada, A periquita, Abra a mala e solta o som, Hoje eu quero ver corno chorar, Paula dentro, Trenzinho da sacanagem, torna-se até redundante transcrever mais versos do repertório da fuleiragem music. Mas estes de Cachaça, mulher e gaia, de Aviões do Forró, merecem ser conhecidos:
“Mande esse corno passear/mande ele se divertir/bote o tira gosto na mesa/traga mais uma cerveja/hoje eu vou dormir aí/Já que ele não dá conta/hoje vai levar é ponta/porque eu vou dormir aí.
O repórter procurou conversar com a produção de algumas das bandas alijadas do São João de Caruaru, mas somente no fechamento desta edição foi que se conseguiu conversar com Raphael Acioli, assessor de comunicação da Luan Produções, responsável pelas bandas Saia Rodada, Arreio de Ouro e Garota Safada (além das banda Calypso e Magníficos, que entrou na programação de Caruaru).
Para ele, foi uma grande surpresa para a produtora quando o comercial não conseguiu fechar contrato com as três bandas para o São João de Caruaru: “Externamos uma tristeza muito grande em não participar de uma das maiores festas juninas do país. A gente queria continuar fazendo, como vem acontecendo há alguns anos. Quanto ao motivo, as letras de duplo sentido, o que temos a dizer é que não há maldade alguma nelas”.

Fonte: http://jc3.uol.com.br/jornal/2009/04/19/not_327166.php

Anúncios
No comments yet

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: